ASAS DE UM ANJO
  ASAS DE UM ANJO
Início
Contactos
Links Úteis

Últimos tópicos:
BOAS FESTAS
PAI
LAPIS DE COR
ENAMORADA
AMANHECER



Veja os últimos 5 tópicos:

BOAS FESTAS ---->


Que o Menino Jesus nasça grande em todos os corações!

Cleidiner Ventura
 

PAI ---->


Pai,
das coisas
que sei,
das coisas
que trago comigo,
você é a parte
mais relevante!

Do que sei,
das informações
e do que brota
sem mais porque...

Só tenho uma
explicação:
- foi você
que plantou
esse jardim
em mim.
( Você deve ter plantado até mesmo enquanto eu dormia )
Cleidiner Ventura ( Anjo)
 

LAPIS DE COR ---->


A rua em que eu nasci era de terra;

Terra vermelha e quando caia a chuva, fazia enxurrada que corria caldulenta, escura, como fosse calda de pudim de leite que perdeu o ponto; Essa calda corria nas laterais da rua como fossem dois rios perdendo volume, correndo em terra quente no calor de quase 40º.

Os poucos carros que passavam, deslizavam no meio da rua, só mesmo as carroças com os seus burros, conseguiam passar sem problemas.

As pessoas passavam no espaço destinado às futuras calçadas (passeio-público), com cuidado, mas mesmo assim, os sapatos ficavam vermelhos de barro.

E quando a chuva parava, o sol já ameaçava por sua cara de luz por entre as nuvens e o calor voltava forte, os raios do sol secando a rua, rachava o barro que ficava feito lascas de chocolate, nessa hora o céu parecia uma caixa de lápis de cor em degrade de vermelho.

Acho que as pessoas nunca entenderam o porque de eu ficar tanto tempo observando a rua, sentada no muro da frente de minha casa.

Sempre fui fascinada pelo céu de minha terra e esse céu, após a chuva, era infinitamente mais bonito, era tudo o que alcançavam os meus olhos de menina; dormindo sonhava com ele; era capaz de encontrar e contar infindáveis carneirinhos que as nuvens me permitiam, pois não havendo vento, eles ficavam mais tempo no céu sem se diluir; sempre achei que observando o céu, Deus também me observava – pois Deus era e é, toda essa natureza!

Soltar papagaio/pipa, era um grande evento, lançava nos céus meus papagaios de papel celofane com rabiola de argolas do mesmo papel, coladas com cola caseira, de farinha de trigo e água, não podia por muita, para não pesar; a linha era fácil de conseguir, minha mãe sempre teve amor à costura e em sua máquina, tinham gavetas recheadas delas e de todas as cores e se ali não tivesse, por certo teria na alfaiataria de meu pai.

No inverno, durante as férias escolares, o céu ficava ainda mais colorido, havia por lá a disputa do mais bonito papagaio e daquele que mais alto se mantivesse no infinito azul daquele céu que protegeu-me e permitiu-me sonhar...

Era tão doce amar a minha rua...

rua de caramelo, rua de chocolate...

Dos pássaros que lá cantavam, principalmente após a chuva, trago nos ouvidos os doces acordes.

A Deus agradeço a permissão de ter nascido lá.

Cleidiner Ventura

São Paulo, 23.07.2008

00:21 horas
 

ENAMORADA ---->


Enamorada é o estado
constante de minh'alma
apaixonada.

De minh'alma enamorada...
De minh'alma enfeitiçada...

Enamorada estou
pela luz dos olhos teus,
tão claros, tão puros
e sinceros;

por tuas mãos
perfeitas,
honestas
e minhas.

Enamorada nasci
para o amor
e continuo,
graças a ti.

Cleidiner Ventura (Anjo)
11.01.2004
 

AMANHECER ---->






O amanhecer de minha terra

trago na lembrança!



Parti há muito...



e reparto as cores do horizonte

que fotografadas restaram

na retina e coração,

com aqueles que

nunca viram e sentiram

um amanhecer.



Pela fresta de minha janela,

acanhada a luz entrava,

esbarrava na branca cortina,

iluminando a imagem

de meu anjo da guarda,

sobre a mesa de cabeceira.



Sorrateira eu levantava,

sem barulho, sem alarde...

pois todo o restante da casa,

dormia...



E pela porta da sala

o horizonte eu olhava,

tão vermelho e a

silhueta de uma árvore torta

que chamava de

árvore caindo...



parecia tão distante...

e nos primeiros raios

de sol

surgia ela, verde, copada.



Os pássaros, em bando

voavam os céus,

seu imenso espaço livre

e competiam entre si

para ver quem mais alto cantava.



Nos ouvidos trago os acordes

dos pardais, bem-te-vis,

andorinhas, pintassilgos

e o cantar martelado

da araponga.



As gotinhas de orvalho

que restavam sobre as rosas

exalavam perfume.



O céu a se colorir

de amarelo, laranja,

vermelho, azul e branco

e uma preguiça danada

levava-me de volta à cama.



E os pássaros orquestrando

embalavam os meus sonhos

por mais alguns minutos,

tão preciosos,

tão gostosos.



E o cheiro forte do café,

que da cozinha escapava,

tirava-me novamente

do embalo de meus sonhos.



Amanhecia em minha terra!



Cleidiner Ventura (Anjo)

12.02.2004







 
 
 
Crie o seu Site Grátis!       Create your Free Website! Sites Grátis no Comunidades.net